sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Londres


Nas asas do sonho
que ao vento componho
vi Londres ao vivo.
Senti o seu cheiro
e fui timoneiro
dum tempo festivo

Museus, galerias,
jardins, poesias,
memórias sentidas.
Gente de outras raças
que enchem as praças,
ruas e avenidas

Muitos monumentos,
castelos, conventos,
torres e abadias.
Figuras de cera
numa atmosfera
de fantasia.

O pulsar da vida
luta desabrida
que o tempo escasseia.
A gente apinhada
no metro à molhada,
enorme colmeia.

Outros idiomas
posturas, aromas
e modos de estar.
Selectos, anarcas,
uns bons outros rascas
mas tudo a girar.

Não deu p'ra ver tudo
...é muito conteúdo
mas gostei de lá estar.
Adorei o que vi
e pelo que senti,
hei-de lá voltar.



4 comentários:

Rosyilene disse...

Amei a poesia e peço autorização para postá-la em minha página no orkut. Abraços,
Rosyilene.

Luís disse...

Obrigado
Pode postá-la à vontade.
Abraço
Gaspar Silva

Luís Miguel Silva disse...

E eu gostei imenso de te acompanhar pai :o)

Luís disse...

Não gostaste mais que eu. Foi inesquecivel! :)